13 outubro, 2010

Conheço algumas pessoas que aparentemente têm tudo.Diante dos julgamentos e análises dos outros, estão devidamente abastecidas sendo rotuladas por estarem no tão sonhado rol dos felizes não lhes cabendo o direito da queixa, insatisfação ou tristeza.Desprezando a essência, desejos e aspirações reais do coração de cada um, observadores da vida alheia semeiam a velha história: boa é a vida do outro, nunca a minha...
Sempre que vejo comentários assim ou mesmo quando escuto pessoas julgando sonhos entranhados no coração do outro achando que seja lá quem for não precisa disso ou daquilo, lembro de Ana.
Ana soube o que é ouvir alguns desdéns acerca de algo que para ela era fundamental.Na perspectiva de Elcana, ela já tinha muito, para que desejava mais?Na perspectiva da 'mulher atribulada de espírito', era o desejo máximo do seu coração, um sonho tão almejado.Na perspectiva de Deus, uma excelente circunstância para realizar um milagre e mostrar que seus planos sempre nos surpreendem.
Sabe querido(a)s, Deus não tem obrigação alguma de me dar nada, muito menos de realizar meus sonhos ou dos meus vizinhos.De uns tempos para cá, ouvimos em muitas pregações e canções acerca de um Deus que mima seus filhos em todo tempo.Que move os céus e a terra a todo tempo para satisfazer todos os caprichos dos seus filhos e não é isso que a Bíblia ensina!
Encontramos nas Escrituras exemplos de servo(a)s de Deus que se prostraram diante daquele que tudo pode com petições, rogos, lágrimas, súplicas e desejos expressos em oração, disponíveis a receber a vontade de Deus e aplicá-la em sua vida.Essa é uma das maravilhas de sermos filho(a)s de Deus.Como todo Pai zeloso, haverá momentos em que Deus nos dirá não e em outros, um sublime sim.E, como filho(a)s obedientes, confiaremos nos planos Dele que sempre serão melhores!
O exemplo de Ana me emociona porque entendo que quando aquela mulher prostrou-se diante do Senhor, rendeu-se em oração.Não colocou Deus na parede.Não bateu o pé afirmando que da realização desse sonho pessoal dependeria a felicidade dela para o resto da vida nem muito menos pensava em passar por cima de ninguém ao apresentar a 'resposta de oração' para a sociedade.
Ana prostrou-se numa rendição que gera entrega, reconhecendo que somente o Senhor dos Exércitos poderia vencer essa batalha para ela.Utilizou em seu clamor a partícula 'se'.Se o Senhor fizesse o que ela pedia, ela também assumiria um compromisso com Ele.Pediu que Deus atentasse para sua humilhação e, em meio a lágrimas, foi confidenciando em oração, outras coisas que a nós não foi revelado.
Depois de outra acusação infundada, dessa vez vinda do Sacerdote Eli, a mulher explicou-se, foi compreendida, abençoada e seguiu seu caminho.Em sua vida cotidiana, pouco depois da oração, Deus lembrou-se de Ana.Lembrou-se para atendê-la.Para alegrar-lhe o coração e satisfazer o desejo de uma serva que encontrou favor diante do Senhor.
Algumas pessoas não entendem como é que Ana desejava tanto um filho, pediu, recebeu e depois o entregou de volta ao Senhor.Certa vez uma aluna da escola bíblica dominical afirmou: quanta injustiça!Ela não pôde desfrutar do filho!
Não concordo com esse posicionamento.
Às vezes me pego pensando sobre como Ana agradecia ao Senhor todas as vezes em que via Samuel.Creio que a memória daquela mulher que agora era uma 'alegre mãe' e não mais atribulada, trazia a tona o processo que havia passado para receber do Senhor sua petição.
Creio que Ana, ao olhar para Samuel, tinha a certeza de que existia um Deus no céu que escutava o clamor de uma pessoa aflita.Que sentia prazer em abençoá-la.
Creio que nas oportunidades que Ana teve de amamentar seu filho pôde compreender que sem Samuel sua vida poderia ter continuidade com alegrias e tristezas típicas à vida de uma mulher comum e que Ela louvaria ao Senhor mesmo assim, mesmo com um sonho frustrado.Ela tinha ciência de que a verdadeira felicidade não estaria atrelada a realização de um sonho pessoal e sim, no nosso mover no Senhor.
E diante dessa compreensão, essa mesma mulher alegrava-se porque Deus, em suas muitas misericórdias, havia inclinado-se para ela com amor, lembrando-se e atendendo-lhe um pedido, tornando-a mãe.A oração respondida materializada naquele menino em seus braços, era muito mais que um sonho cumprido e por isso, servia de testemunho, glorificava ao Senhor de maneira única, específica e especial.
Samuel significa Do Senhor o pedi.Não sei o que você tem pedido ao Senhor.Muito menos se é um sonho grande ou pequeno.Não estou aqui para julgá-lo(a).O que eu sei é que posso afirmar com exatidão que nosso Deus tem propósitos bem definidos, estabelecidos e infrustáveis acerca de todas as coisas, inclusive da minha e da sua vida.
Entregue-se, renda-se a Ele em oração.Apresente seus pedidos, a necessidade de cada 'Samuel'.Ele sonda seu coração, conhece o futuro e sabe se o Isaque em seus braços gerará em seu coração idolatria ou gratidão, por isso fará o melhor por você.Peça e confie em sua vontade que sempre é boa, perfeita e agradável.Aguarde algo especial.A resposta do céu pode vir quando você menos esperar...

"Como tirar a própria roupa num dia de frio, ou derramar vinagre numa ferida, é cantar com o coração entristecido"(Provérbios 25:20).

03 outubro, 2010

Escravo por amor

De acordo com a Lei Mosaica acerca da escravatura, o escravo deveria servir ao Senhor por seis anos e no sétimo receberia a liberdade.O seu senhor não poderia dispensá-lo de mãos vazias.Deveria recompensá-lo com bens do rebanho, eira e lagar porque o próprio Deus já havia sido generoso concedendo bens ao dono daquele servo e também porque queria que aquele senhor lembrasse que já javia sido servo na terra do Egito.
Apesar de receber a liberdade, o escravo tinha o direito de fazer uma escolha: permanecer na casa do seu senhor para sempre.Se essa fosse a escolha, seu senhor deveria levá-lo até a porta da sua casa, chamar três homens como testemunhas e furar a orelha daquele servo com uma sovela.A orelha, parte integrante do órgão da audição, simbolizava a boa vontade em obedecer.A partir de então, aquele servo era conhecido diante da sociedade pela marca na orelha, sendo um escravo por amor(Dt 15:12-17).
Sabe, queridos, Deus não quer que nós o sirvamos por obrigação.Porque temos que ir à igreja todos os domingos.Ou porque devemos estar enquadrados em rituais e obrigações religiosas cumpridas nas igrejas para nos achegarmos a Ele.Ele não está interessado apenas no serviço que executamos.
Também não aceita que vivamos de qualquer maneira nessa sociedade por sermos filhos seus, santos e separados.Paulo chama nossa atenção quanto à liberdade cristã:"todas as coisas são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas mas nem todas edificam"(1 Coríntios 10:23).
Existe um motivo maior para estar na casa de Deus eternamente.A compreensão acerca do sacrifício de Cristo na cruz, a decisão de segui-lo e a certeza de termos a marca não de uma orelha furada mas do Sangue do Cordeiro, gera em nós uma atitude de rendição ao Senhor que tanto nos amou.
Será que você poderia afirmar hoje: 'Senhor, eu poderia viver de qualquer maneira ou mesmo escolher não estar em tua casa, não te servir.Mas compreendo teu amor por mim, entrego minha liberdade a ti e me rendo aos teus pés em amor'?
Vá à igreja todos os domingos, submeta-se às lideranças espirituais, viva a vida cristã honrosamente, cumpra as regras e os mandamentos do céu, entretanto, não esqueça de que sua motivação maior em fazer tudo isso deve ser o amor pelo Senhor.
Somos escravos de Cristo, escolhemos o serviço e "abdicar certos direitos", não por imposição de sistemas religiosos mas porque o amor Dele nos contrange e nos inspira a viver o que está no hino 410 da Harpa Cristã: 'Jesus que pudera eu dar-te por tanto amor para mim?Bastante é servir-te e amar-te?E tudo entregar-me a Ti?Aceita então minha vida, que a Ti só se prostra rendida.Já sou mui feliz, já sou mui feliz com Deus'!

Tente outra vez (2)

Recebi esse vídeo por e-mail.Trata da tentativa de superação de limitações físicas e emocionais em prol da sobrevivência com qualidade de vida de um homem jovem chamado Nick Fujicik.
Preste atenção nas suas palavras finais, observe suas limitações físicas e como consegue nos comover com uma palavra de incentivo...a pergunta que não quer calar é: Você vai desitir, ou você você vai encontrar a força para se levantar de novo?

Tente outra vez (1)

Lidar com adversidades e limitações nem sempre é fácil.Sejam elas na esfera física, psicológica, social ou espiritual.Os recorrentes fracassos inerentes a essas situações, às vezes trazem desânimo e o pensamento de desistir ou abandonar a caminhada.

No mundo espiritual, de maneira bem específica, guerreando contra o império das Trevas ou contra nós mesmo(a)s, lidamos com essas questões.Em Efésios 6:12 encontramos Paulo tratando sobre o primeiro tipo de combate:" Porque não temos que lutar contra a carne ou sangue mas, sim, contra principados e potestades, contra os príncipes das Trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais " e em Romanos 7:22-24 falando da dificuldade de lidar com a carne: "Porque, segundo o homem interior tenho prazer na lei de Deus; mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros.Miserável homem que sou!Quem me livrará do corpo dessa morte?"

Por isso, quem têm ciência exata do que é ser cristão sabe quão frágeis e suceptíveis ao fracasso e a queda somos, por causa do pecado original, e das investidas do inferno contra nós.A boa notícia é que em Cristo, e somente Nele, o inferno recua, nossa carne é mortificada pelas obras do Espírito Santo, e podemos ser chamados mais do que vencedores.Louvado Seja Deus!

Talvez você esteja cansado(a) de lutar, combater o pecado e de repente se pegar cometendo a mesma falha.Parece até que nunca vai vencer porque a adversidade é insistente e sua limitação instransponível.Entretanto, quero lembrar-lhe de algo que João deixou escrito: "Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, para perdoar os pecados, e nos purificar de toda injustiça...Meus filhinhos essas coisas vos escrevo para que não pequeis e se alguém pecar, temos um advogado com o Pai, Jesus Cristo, o justo"(I João 1:9; 2:1).

Portanto, se você caiu em consequência do pecado, seja por falta de vigilância, fraqueza extrema, cansaço ou qualquer outra razão, não é hora de ficar no chão.Tome o caminho de volta...arrependimento sincero, mudança de vida e fique aos pés do Senhor...recomece novamente pois " o que encobre suas transgressões nuca prosperará, mas os que a confessa e deixa, alcançará misericórdia(Provérbios 28:13).

Se está passando uma grave adversidade espiritual e sente a opressão do Reino das trevas esmagando você, siga o conselho do irmão Tiago(4:7): "Sujeitai-vos a Deus, resisti ao Diabo e ele fugirá de vós".

Fique firme.Não saia do lugar de filho de Deus, apesar das adversidades e das suas limitações.Em Cristo, você encontrará forças para levantar-se e continuar pois somente Nele você já é mais do que vencedor.